Fonte: Agência Lusa

A Federação Associativa da Diáspora, formalmente instituída na terça-feira, em Viseu, pretende reunir associações das comunidade portuguesas para partilhar os saberes, as tradições e a cultura portuguesa no mundo, disse hoje à Lusa um dos seus fundadores, José Ernesto Silva.

Esta federação pretende ser uma estrutura autónoma do Governo ou de movimentos políticos, procurando partilhar os saberes, as tradições, a cultura portuguesa no mundo, desenvolvendo projetos que promovam o trabalho em rede das associações e o reforço da participação cívicadisse Silva, almoxarife da Confraria dos Saberes e Sabores da Beira – Grão Vasco, que está a liderar e intermediar o processo

De acordo com José Ernesto Silva, os estatutos foram constituídos em ato público, através de registo num notário, e agora vai ser indicada uma comissão para organizar eleições e criar os órgãos sociais previstos estatutariamente.

A federação terá sede em Viseureferiu Silva, acrescentando que 26 associações já fazem parte desta plataforma interassociativa

A ideia de criar uma federação já era antiga e tomou forma durante o Curso Mundial de Dirigentes Associativos da Diáspora, organizado pela Confraria dos Saberes e Sabores da Beira – Grão Vasco, que reuniu 26 dirigentes associativos da diáspora portuguesa espalhados pelo mundo, em março, em Lisboa.

Será uma estrutura extremamente importante e que pretende agarrar novos desafios e sinergias, trabalhar em prol e representação das associações da diáspora, sendo ainda uma voz junto das várias instituições portuguesas e do Governo, potenciado a ação e dinâmica das associações, além de permitir uma maior proximidade e ligação a Portugal sublinhou ainda